terça-feira, 10 de maio de 2011

Um pai faz tanta falta

Esta semana, estou sozinha em casa com o piolho. Por motivos de trabalho, o J. estará fora até Domingo à noite. São 7 dias, 6 noites. Eu sei que há imensa gente a viver esta situação em permanência, mas nem por isso me custa menos. Um pai faz muita falta em casa. Mesmo que não me ajudasse muito nas tarefas domésticas [que ajuda], valeria o simples facto de poder deitar um olho ao garoto enquanto eu faço alguma coisa ou de brincar com ele e entretê-lo enquanto a sopa não fica pronta, ou de me chegar a toalha que eu me esqueci de levar para o WC já depois de ter enfiado o miúdo na banheira, ou de o levar de manhã a casa da bisa G., ou de ir fazer o biberão enquanto eu despacho o reguila, ou de, ou de... tantos pormenores.

E depois também me faz falta o marido, claro. Alguém que me acorde quando eu adormeço no sofá da sala, alguém que me aconchegue, alguém com quem conversar, alguém que me faça companhia para jantar...

Hoje encontrei uma pessoa conhecida que perdeu o marido há 3 anos. Lembro-me bem desse dia. O filho de ambos tinha 4 e uma relação excepcional com o pai. Trocámos meia dúzia de palavras e, sobre a tragédia que caíu em cima dela, disse-me: "Foi horrível. O pior que tu possas imaginar." E eu acredito nela, mas não posso imaginar.

É por isso que esta semana de ausência me custa, claro, mas não é nada em comparação a isto. Este post serve de nota mental para eu nunca me esquecer do quanto sou feliz e da sorte que tenho pelo facto do meu marido se ausentar uma semana de vez em quando.

5 comentários:

Tanita disse...

Temos mesmo que dar mais valor ao que temos, e não só quando deixarmos de ter!
Passa rápido e domingo está quase, quase :)
Bj**

Tanita disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Naná disse...

Ni, subscrevo cada palavra tua!
E sei ainda mais a falta que faz um pai em casa, porque tenho um marido que trabalha sempre à noite, e muitas vezes chego a casa e ele já nem está e volta quando estamos (eu e o F.) a dormir...
Há tempos ele esteve 3 dias fora, porque teve que ir fazer formação por causa de trabalho e custou-me bastante, principalmente porque não tenho pai, nem mãe para dar uma mãozinha, e a sogra por muito boa vontade que tenha, não me consegue ajudar mais do que já fez, que foi ficar com o F. em casa até ele ter 13 meses!
Mas essa tua amiga, não imagino não, mas às vezes passa-me isso pela ideia, e juro que morreria se me acontecesse tal coisa... porque sei a dor da perda dos que amamos e tenho a real noção do quanto preciso do meu G. ao meu lado, ele que tem sido um pai incansável e um marido 1000 estrelas!

Mami ( Sónia ) disse...

Vai passar rápido vais ver querida!
Quando deres conta ele está de novo ao pé de ti :)

Pirilampo M4gico disse...

Ora se faz... Mas vais ver que vai passar rapidinho e quando ele chegar vai-vos encher de beijinhos!