terça-feira, 6 de março de 2012

Saga chupeta

Na passada 5ª feira, reparei ao chegar à creche que a chupeta do piolho estava toda rota de ele trincar. Disse-lhe qualquer coisa como "Ai filho, esta chupeta está uma vergonha. Temos de a deitar ao lixo". Para minha surpresa, ele foi direito ao caixote do lixo e deitou-a fora. Fiquei um bocado apardalada e disse à educadora: "tem uma nova na mochila, vamos ver como corre".

Quando o fui buscar à tardinha, disseram-me que dormiu pacificamente sem o adereço. Fiquei obviamente surpreendida, mas resolvi alinhar e à noite também não lha dei. A resposta era sempre a mesma: "não te lembras que a deitaste ao lixo?" Pediu uma nova, disse-lhe que não tinha. Pediu-me para ver os bolsos. Mostrei-lhos, vazios. Resignou-se e acabou por adormecer e dormir a noite toda sem o objecto de sua adoração. Os três primeiros dias passaram-se quase sem dramas. As mesmas perguntas, as mesmas respostas. Até que deixou de falar no assunto. Pensei que a etapa estava ganha.

Mas enganei-me. À medida que o tempo foi passando, notei-o mais nervoso e agitado. Como se estivesse a ressacar, meu rico filho. Se as primeiras 3 noites foram pacíficas, as últimas 2 foram pavorosas. Odeio ver o meu filho assim. Sinto que sofre, geme, treme, diz que tem medo, não quer ficar na cama dele, passou a adormecer ao colo [coisa antes nunca vista], acorda de noite e chama, chama, chama. Eu vou, claro, e fico lá com ele, embalo, canto, sossego-o, digo-lhe que estou sempre ali, blablabla. Esta noite tive de o levar para a minha cama às 6 da manhã. Deixei-o com o pai e fui dormir para a sala.

Ele só tem 2 anos e uns pós. E sofre. E eu não quero vê-lo sofrer mais. Nunca pensei que fosse tão complicado, mas a culpa foi minha. Ele efectivamente deitou a chupeta no lixo, mas não contava que não houvesse mais nenhuma. Eu é que forcei. E eu é que tenho de descalçar esta bota. Falei com o pai e decidimos devolver-lha, à noite, antes de ir deitar, na esperança de o conseguir convencer a deixá-la ficar na cabeceira, de manhã. Mas também decidimos que seja qual for o desfecho, não vamos forçar nada. Já chega. Todo este sofrimento do miúdo foi escusado e inglório.

Reconheço a razão dos argumentos contra a chupeta, que dá cabo dos dentes e tal e tal, mas eu acho que a falta daquele objecto que o consolava, mesmo que só à noite, está a ter consequências que não compensam. O meu filho que sempre adormeceu sozinho, na cama e sempre dormiu toda a noite, regrediu. E eu não vou andar a compor de um lado para estragar do outro. Psicologicamente, tem sido duro para ele, sobretudo, mas também para nós.

De certeza que não há-de levar chupeta para a tropa. E há-de ser assim com tudo. As coisas irão acontecer ao ritmo dele e não ao meu. Espero estar a fazer o melhor. Pelo menos, estou a fazê-lo em consciência, e a pensar nele em 1º lugar.

Já sei que as opiniões são as mais diversas sobre este assunto. Estão todas convidadas a partilhar, mas este post não é mesmo daqueles pedidos de opinião. É só um registo do que aconteceu e do que decidimos fazer para lidar com a situação. Hei-de voltar ao assunto.

11 comentários:

Maria João disse...

Faria como tu sem dúvida. 1º ele SÓ tem 2 anos! A chupeta tem muitos contras a nível de dentes e td mais o que já sabemos mas é o objecto de conforto deles. É claro que tudo tem limite, mas, na minha opinião, ele é mt pequenino e se lhe tava a causar tal disurbio fizeste bem. A minha filha tem quase 3 anos e de noite ainda a usa. Mas só mesmo de noite. De dia fica na prateleira. Não tenho pressa de a tirar, sou sincera. Noites mal dormidas já me chegam as que o irmão me dá:)
Bjinhos.

Marisa disse...

Olha o Martim tem 4 anos e ainda não lhe conseguimos tirar a chupeta...nao vai ser fácil...pode ser q um dia tenha vergonha de a usar LOL

Tânia (Mamã do Santiago) disse...

Ni o meu usa!

Certo que é só para dormir e vá quando anda na moleza lá por casa, e olha não me tira o sono

Ni! disse...

São 21:42 e o silêncio e a calma reinam nesta casa há pelo menos 20 minutos. Salvé!

Kiki disse...

Coitadinho! Ainda é pequenino! Acho que fizeste muito bem! :)

mão da mãe disse...

concordo com a tua decisão. e afinal, que culpa têm eles de se terem afeiçoado tanto a um objeto que nós, pais, lhes incutimos logo à nascença? é como dizes, não a há-de levar para a tropa!
bjinhos*

Naná disse...

Sabes que com o Falipe correu bem, mas podia ter corrido mal... além disso, ele estava praticamente a deixar de ligar importância à chupeta quando o começámos a desfraldar e foi notória a forma como de novo voltou a só querer a chupeta para tudo. é um objecto de conforto para eles e sim, o melhor é respeitar o ritmo dele e ele já mostrou que ainda não está preparado... a altura certa logo chega!

T zero disse...

O João, de dia, consegue esquecer-se da chupeta. Mas de vez em quando dálhe a lembrança e corre tudo á procura dela. só descansa quando a encontra. À noite, é companheira inevitável...
Eu usei chucha até aos 4 anos. Um dia o meu pai perguntou-se se a podíamos deitar no lixo porque já estava muito velha. eu disse-lhe que sim e pronto. custou um bocadinho, mas a decisão foi minha.

A side of me disse...

Tenho andado para fazer um post sobre este assunto. A minha piolha tem 2 anos e meio. Desde bebezinha que nunca ligou à chucha. Quando entrou na sala dos dois anos houve muitos meninos que entraram e iam com chucha. Toca a imitar. Pedia-me sempre a chucha e nunca dormia sem ela, apesar de a rejeitar enquanto dormia.
Na escola já não usava, mas em casa continuou a usar durante algum tempo. No dia de carnaval, na brincadeira dissemos que a chucha tinha caído ao lume e que já não havia mais. Aproveitei a onda e fui sempre dizendo que não havia, que tinha caído ao lume e a ela começou a dizer que cheirava a porco e cheirava mal. Durante uma semana lembrou-se várias vezes durante a noite, para adormecer e eu sempre lhe disse o mesmo. Daí em diante não me fala nela nem se lembra e adormece bem.

Se sentir que ela não se sente confortável, volto a dar. Até lá, fica no esquecimento =)

Sara disse...

olá :) há imenso tempo que não comentava aqui, mas este post chamou-me a atenção. a 'saga chupeta' como lhe chamas, tb é algo que me deixava a pensar imenso. no outro dia falei disso com as minhas amigas e fiquei com outra opinião sobre o assunto.
não quero, de todo, que a minha filha fique com 'boca de chucha'. mas e se ficar?? a chucha é algo apresentado por nós e que, com o tempo, se torna o objecto de consolo deles. que direito temos nós de lhes tirar a chucha forçadamente?
acho que estás a agir muito bem, eu faria (e farei) o mesmo. com as crianças tudo tem um tempo e mais vale não forçar. como dizes, não compensa estares a tirar-lhe algo que o faz regredir noutros aspectos.
dá-lhe tempo :)
beijinhos*

Isa disse...

Foi exactamente isso que me aconteceu e a nossa decisão foi a mesma. O meu filho estava a ficar outro e muito dependente de mim. É como dizes, não há-de ir para a tropa com ela. Beijinho