quarta-feira, 23 de maio de 2012

Comunicado oficial

Estou farta da merda da crise.

Porra para isto. Além da minha situação em particular, que ainda não é das piores, reconheço, enerva-me viver neste país de cáca.

Estou fartinha de viver num país que compactua com anúncios de emprego insultuosos. Ai estamos em crise? Deixa-me cá aproveitar para contratar escravos pessoal pelo ordenado mínimo. Mas só se souberem alemão, inglês e espanhol na ponta da língua e dos dedos, tiverem viatura própria para uso na função, disponibilidade para trabalhar jornadas de pelo menos 10 horas... a lista não tem fim. Quer, quer. Não quer, infelizmente há mais quem precise queira.

Estou fartinha de viver num país de maus pagadores. Ai estamos em crise? Deixa-me cá aproveitar para fazer o choradinho aos fornecedores e ver se fico a dever mais este mês. É que é incrível, minha gente... "pois, não podemos pagar... é a crise, sabe?" Se sei? Infelizmente. É a crise o caralho tanas!

Estou fartinha de viver neste país, de ver sempre os mesmos a abicharem os euros. Todos os dias a vergonha de ver nos jornais casos de corrupção, de acumulação de funções, de criminosos em liberdade, de crimes de colarinho branco que ficam sempre impunes. Claro que se for eu a falhar o prazo de entrega do IRS tenho logo os abutres à perna a cobrarem o dízimo. E se for um tipo a roubar para comer, fica em prisão preventiva, que a justiça não brinca, só se distrai quando interessa aos boy(i)s.

Estou farta de viver num país que dá porrada em mortos. Já estás na merda? Então toma lá mais um balde, que enquanto respirares é sinal que sobrevives. Quê? Trabalhaste uma vida inteira, fizeste os teus descontos todinhos, a tua empresa pagou os impostos como manda a lei, mas eras sócio-gerente? Vai-te foder lixar então, que não há cá subsídio de desemprego para ti. Já reformas milionárias para o tio do primo do amigo do irmão do gajo do partido X é outra conversa.

Estou fartinha de viver num país que mata a sua própria economia. Se o povinho não consome, querem viver de quê? Vão vender esta merda aos chineses? Já pouco deve faltar. Depois é ver os carneiros a trabalharem cada vez mais horas por cada vez menos dinheiro para o patrão dos olhos em bico. Feriados? Na China não há cá disso. Cala-te e trabalha. Subsídio de Natal/Férias? Para que é que tu precisas disso? Trabalhas 7/7, não tens tempo para o gastar.

Estou fartinha de viver num país que não me deixa ter mais filhos.

Estou farta!

4 comentários:

Tânia (Mamã do Santiago) disse...

Uma agonia é o que é !

Naná disse...

É exasperante... e o pior, é que parece que nem mesmo assim isto vai mudar...

a mãe disse...

Um sufoco... exploracao, maus pagadores, e o povinho que se lixe...
Acabo por achar que o empregador pensa que o empregado vive do ar ... e ja que estamos a entrar no verao.. do sol!

Tambem me enerva viver num país que nao me deixa ter mais filhos...

Tanita disse...

Oh Ni, junto-me a ti e a todos aqueles que agarram uma oportunidade e vão para outro país. Acho que já não tenho orgulho em ser portuguesa, por agora chegava-se ser alemã, austríaca ou outra coisa qualquer onde o meu ordenado (que nem é dos piores e por isso agradeço) desse para ter uma melhor qualidade de vida, sem ter de fazer contas para ele esticar até ao final do mês.